Essa semana, seremos agraciados com a chegada da nova produção da DreamWorks Animation aos cinemas, ‘O Poderoso Chefinho 2: Negócios da Família’. A sequência dirigida por Tom McGrath explora de maneira positiva o universo criado pela franquia, expandindo-o, além disso, conta com a empatia dos personagens já adultos, envoltos num tema bastante pertinente e atual: a família. Porém, o filme caduca na irregularidade narrativa, entregando um produto “duvidoso” ao público.

A nossa história começa anos depois. Eles, os meninos da trama original cresceram: Tim e Tedd seguiram com suas vidas, deixando o tempo e as rugas do passado os afastarem. Enquanto o primeiro tornou-se um chefe de família, dedicado a criação e educação das filhas Tabitha e Tina, Ted seguiu o mundo dos negócios.

Apesar de um clima novo tomar tal ambiente, problemas velhos persistem. Um novo e perigoso conglomerado instalou-se numa escola para crianças superdotadas na maquiavélica intenção de lhes roubar a infância. E os irmãos Tim e Tedd se veem nesse embaraço, pois o futuro das meninas que tanto amam estão em jogo.

A animação da Universal Pictures trata temas sérios com muita inteligência e sensatez narrativa, aqui bem norteados pela dupla Michael McCullers e Marlla Frazze. Seja através de alegorias, falas contundentes ou cenários criados ao fundo. E essa intrigante racionalidade é um convite a todas as idades. Literalmente, você pode tornar a experiência do público mais velho em algo agradável, quando este acompanha o filho ao cinema. Além disso, a franquia “O Poderoso Chefinho” continua bem nos quesitos técnicos. Os traços são uma fofura e assertivos como esperado.

Se deixamos um parágrafo todo para falar bem do filme, também dedicaremos outro para falar mal [risos]… A sequência apresenta decisões estranhas ao corpo diretivo, que vão das apostas vazias, mudanças de tom, além da inserção do gênero musical na trama [o que foi preocupante]. Além disso, “O Poderoso Chefinho 2” sofreu com o efeito “sanfona” em sua narrativa: por vezes intrigante e nostálgico, por outros maçante e confuso: Muitas ideias, e baixa execução.

Portanto, podemos afirmar que apesar da tentativa de explorar o “novo”, algo não saiu dentro dos planos. “O Poderoso Chefinho 2: De Volta aos Negócios” se porta como uma animação de puro entretenimento, e só. Todavia, vale a pena acompanhar o fim das crianças que aprendemos a amar ainda 2017. Enxergando neles novos e bons desafios.

 

Classificação:

A franquia retorna com Alec Baldwin, dublando na versão americana o Bebê-Chefe Tedd, além de Jimmy Kimmel e Lisa Kudrow reprisando os pais do garotinho. Mas, dessa vez, nomes como Jeff Goldblum, Ariana Greenblatt, Eva Longoria, James Marsden e Amy Sedaris também comporão o elenco de voz da animação.

O longa da DreamWorks Animation, “O Poderoso Chefinho 2: Negócios da Família” chegará aos cinemas nacionais amanhã (12).