Como vocês já sabem, pois aqui mesmo no SiriNerd já trouxemos várias notícias e trailers, a Sony está nos trazendo uma continuação do saudoso filme de 1984 Ghostbusters (Os Caça-Fantasmas, no Brasil). “Ghostbusters – Mais Além” estreia apenas no dia 18 de novembro, mas eu já pude assistir e vou tentar contar, sem spoilers, o que achei do filme.

Como já era esperado, ao menos por mim, o filme vem pra resgatar aquele sentimento de nostalgia; tem muitos easter egg’s e um enredo similar ao primeiro filme da franquia, o que nem todo mundo curte, mas admito que eu gosto bastante. Porém, ele também agrega muita coisa nova, uma delas é o jovem e talentoso elenco formado por Finn Wolfhard (“Stranger Things”), Mckenna Grace (“The Handmaid’s Tale”), Logan Kin e Celeste O’Connor.

O filme, apesar de se passar nos dias atuais, traz muitas lembranças dos anos 80 em seu visual, não só pelo figurino, como também no cenário da pacata cidade interiorana, Summerville, e tenta manter um mistério sobre quem seria o avô dos jovens irmãos Trevor (Wolfhard) e Phoebe (Grace), mas acredito que quem lembra do filme clássico dos anos 80 não vai ter muita dificuldade de solucionar esse mistério, mas eu que não vou contar.

Com um começo um pouco arrastado, vamos percebendo as semelhanças da trama com o Ghostbusters de 84 e entendendo as características das personagens principais do longa. O longa mescla os efeitos antigos com os atuais, não nos trazendo algo que poderia parecer muito tosco, como os efeitos do filme original podem parecer a quem for assistir hoje, mas também não é algo muito bom, ao ponto que sabemos que a tecnologia que possuímos nos dias atuais poderiam proporcionar. Senti que isso foi uma forma de respeitar o filme clássico, mantendo as características dos efeitos trazidos naquela época.

O astro, protagonista do filme da Marvel, “Homem-Formiga”, Paul Rudd, assim como a atriz Carrie Coon, que interpreta a mãe de Trevor e Phoebe, estão no filme para somar, e não ofuscam, em momento algum, o talento da garotada.

Ao longo do filme eu ri, me arrepiei, alguns sustos fizeram com que eu me mexesse na cadeira e quase chorei em alguns momentos do filme. Apesar de trazer uma cara nova (mesmo que a história seja velha) eu volto a repetir que o respeito ao que foi feito lá atrás, pra mim foi essencial.

Acho que acertaram muito ao trazer o diretor do filme de 84, Ivan Reitman, como produtor desse novo longa e seu filho, Jason Reitman, como diretor, pois notadamente eles fizeram desse filme uma excelente homenagem ao elenco original formado por Bill Murray (Peter Venkman),  Dan Aykroyd (Ray Stantz), Ernie Hudson (Winston Zeddemore), Annie Potts (Janine), Sigourney Weaver (Dana Barret) e, postumamente, ao eterno Egon Spengler, o ator falecido em 2014, Harold Ramis.

O filme possui duas cenas pós-crédito, então se segurem na cadeira para não perderem.

Recomendo muito o filme, que apesar de não ser uma obra prima, é um excelente passatempo, e deve agradar o público fã e o público que não teve a oportunidade de conhecer ainda esse divertido grupo. E para aqueles que gostam dos Caça-Fantasmas, eu acho improvável vocês não se arrepiarem e se emocionarem ao ouvir a música tema do filme de 84 sendo tocada, ou com a sirene do Ecto-1.

 

Classificação:

Veja outras de nossas críticas:

O próximo longa da Sony Pictures, “Ghostbusters – Mais Além” chegará aos cinemas nacionais no dia 18 de novembro.

By Beto Gondim

Meu passatempo favorito tem sido assistir filmes e séries. Nem me considero tão nerd assim, mas estou por aqui ajudando meus amigos, na direção de redação, supervisionando o nosso podcast lindo, o SiriCast e falando de coisas que curto bastante... espero que vocês também curtam.