Cinema vs. Streaming - Reprodução

Será que o cinema perdeu espaço, que tornou-se quase que irrecuperável para as plataformas streaming’s? Bob Iger, ex-presidente da The Walt Disney Company, traz a sua perspectiva sobre o atual cenário no debate interminável de Cinema vs. Streaming. Para Iger, é preciso analisar os números e respostas que o mercado dá.

Acho que o Covid realmente fez – acelerou uma mudança no comportamento do consumidor, que já nasce anterior a pandemia, apenas ele potencializou os serviços de streaming”, disse Iger ao The New York Times [via CB]. “O que o Covid fez foi acelerar o processo a se juntar a tais plataformas – basicamente, eu chamo de televisão baseada em aplicativos ou entretenimento baseado em aplicativos. E eles ficaram muito confortáveis ​​com isso. Eles não só gostam, como passaram a descobrir que há uma grande escolha. Há uma quantidade enorme de qualidade para todos. O lado bom disso para o talento é que por causa da tecnologia, que permite uma maior distribuição e mais consumo, é que a indústria não parou e sim, descobriu com o crescimento o vasto consumo. Portanto, há muito mais sendo feito.

Aí vem a previsão apocalíptica, o sucesso do streaming é a “morte” dos cinemas, Iger respondeu:

Não acho que seja a morte. Acho que é uma lesão grave que talvez não cicatrize. E o que quero dizer com isso não é fatal. Pode ser fatal para alguns. Vamos começar com a experiência de ir ao cinema, para dizer algo bom sobre isso. Acho que as pessoas ainda vão querer ir ao cinema. No entanto, eles serão muito mais, eu acho, exigentes sobre quais filmes eles querem ver fora de casa, onde você provavelmente pense, para dizer ou perguntar a si mesmo, espere um minuto, esse é um filme que eu preciso ver na tela grande e fazer tudo isso, ou posso esperar ou nem esperar, aliás, e vê-lo em casa? , Homem-Aranha (Sem Volta Para Casa), que a Marvel e a Walt Disney Company produziram com a Sony, quando foi lançado havia uma enorme quantidade de pessoas ao redor do mundo querendo vê-lo no primeiro fim de semana. E haverá filmes assim. Mas há muitos outros que não se encaixam nessa categoria, ou que realmente não precisam ser assistidos em uma experiência maior que a vida. E então eu acho que o que você vai ver é muito menos filmes lançados para os cinemas.

Antes da pandemia do COVID-19, havia rotineiramente entre 550 e 600 longas-metragens lançados nos cinemas todos os anos, como Vingadores: Ultimato até filmes independentes. Em 2020, havia apenas dados para 280 lançamentos nos cinemas, enquanto 2021 viu pouco mais de 350 filmes lançados nos cinemas.

Não é exatamente uma previsão chocante de Iger para o futuro, e supor que o cenário de quais tipos de filmes lançados nos cinemas mudará ao longo dos próximos anos, o público mostra há mais de uma década que grandes sucessos de bilheteria e reinicializações e sequências baseadas em IP são o que eles estão mais interessados ​​em ver.

Em 2019, o último ano “normal” de lançamentos de bilheteria e longa-metragem, todos os filmes no Top 10 do ano foram reinicializações, sequências ou parte do MCU; com sete do Top 10 todos os lançamentos da Disney. O último filme a entrar no Top 10 em qualquer ano que não se encaixava nessa conta foi Bohemian Rhapsody em 2018, e Pets 2, Zootopia e Sing em 2016 antes.

Veja também:

E você, o que acha do assunto? Comente lá embaixo…

By Amauri Alves

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante (...) Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo