Peacemaker/DC Entertainment/HBO Max - Reprodução

Quando foi anunciado um novo filme de O Esquadrao Suicida, muitos torceram o nariz. Afinal, o filme anterior deixou um gosto “amargo” pra quem esperava tudo o que o trailer prometia.

Com a direção de James Gunn, a dúvida começou a dissipar e recebemos um filme que não ignora completamente o anterior e dá fôlego para o universo DC no cinema. Entre os personagens terciários que apareceram ao lado da hoje conhecidíssima Arlequina (Margot Robbie), estava o Pacificador, de John Cena. Criado em 1966 por Joe Gill e Pat Boyette e publicado pela Charlton Comics, a série conta a a história de Christopher Smith, um diplomata pacifista tão comprometido com a paz que estava disposto a usar a força como um super-herói para promover a causa.

Com a aquisição da Charlton pela DC comics, o Pacificador apareceu esporadicamente em publicações da editora,  com alguns alter egos. Em setembro de 2020, a HBO max anunciou que o personagem ganharia um spin-off, escrito pelo próprio James Gunn, que também dirigiu 5 dos 8 episódios e co-dirigiu os demais, com Jody Hill, Rosemary Rodríguez e Brad Anderson. A título de conhecimento, o roteiro de Peacemaker foi escrito por James Gunn durante 8 semanas durante a pandemia, por puro tédio. Ele não esperava que o projeto fosse aprovado.

Nas palavras do diretor, “Peacemaker é uma oportunidade de mergulhar nas questões atuais do mundo através das lentes deste super-herói/supervilão/e o maior babaca do mundo“.

E é exatamente isso que a série aborda, de maneira escrachada e humor pra lá de politicamente incorreto. O personagem vivido mais uma vez por Cena é um poço de testosterona, machismo e ignorância. Carregando com orgulho a missão de trazer a paz no mundo nem que precise matar homens, mulheres e crianças para isso, como disse em O Esquadrão Suicida.

Embalada por uma trilha sonora que traz o estilo de Gunn, a série usa o sarcasmo desde a abertura, passando pelos títulos dos episódios ate as cenas pós-créditos, e obteve nota alta no IMDB, onde aparece com uma média de 8,5/10. Já no Rotten tomatoes,  crítica e público também aprovaram a série,  com impressionantes 95%/87%.

Durante toda a série, acompanhamos o personagem-título em sua jornada para se adaptar à nova equipe e sua nova missão. O elenco está muito bem, com destaque para Danielle Brooks, como Adebayo e Robert Patrick, como o pai do protagonista.

Apesar do tom cínico, a série trata de assuntos sérios e muito presentes no cotidiano. Abandono, busca por aprovação, sexualidade, abuso, tudo isso como muita profundidade e textual expertise. O que torna a série da HBO max um espetáculo a parte é maneira como Gunn aborda tais conteúdos.

Caso o expectador decida se aventurar, a experiência será um misto de riso, loucura e satisfação, com direito à reflexão. E segunda temporada já confirmada!

 

Classificação: 5 Patas

Leia também, outras críticas nossas:

Com oito episódios, a primeira temporada de Peacemaker, da DC Entertainment, encontra-se exclusivamente na HBO max.

One thought on “Peacemaker – 1ª Temporada (2022) | Crítica”

Comments are closed.