O Projeto Adam/Netflix - Reprodução

O Projeto Adam, longa que carrega o selo da Netflix e traz nomes conhecidos do público “nerd”, como Ryan Reynolds (“Deadpool”) e Mark Ruffalo (“Hulk”), estreou na plataforma e rapidamente entrou no top 10 do streaming, com pitadas de ficção científica, ação, comédia e um pouco de drama.

O filme não tem uma ideia totalmente inovadora, a ideia de colocar cara a cara, duas versões do mesmo personagem, sendo uma mais jovem que a outra já foi vista antes algumas vezes, como no caso de Duas Vidas, estrelado por Bruce Willis, por exemplo. E O Projeto Adam tem seu principal pilar baseado nisso.

A trama traz Ryan Reynolds como Adam Reed, um piloto de uma nave que é capaz de romper a barreira do tempo e viajar através dele e, para tentar solucionar uma questão na sua vida, Adam rouba sua nave no ano de 2050 na de voltar para 2018, porém por um acidente de percurso ele acaba em 2022. Devido ao erro Adam acaba tendo que recorrer à sua versão adolescente, asmática e perseguida pelos valentões da escola, interpretado por Walker Scobell.

O filme ainda nos traz um ar de nostalgia, lembrando ou referenciando algumas produções dos anos 80/90, como E.T. O Extraterrestre, Star Wars, De Volta Para o Futuro, Exterminador do Futuro, entre outras produções que com certeza influenciaram o diretor Shawn Levy, que repete a parceria feita em Free Guy com Reynolds e que já estão com nova parceria confirmada em Deadpool 3 (Veja a matéria).

O filme é leve, simples e se desenvolve num ritmo bom de acompanhar, é interessante ver a atuação de Walker Scobell como Adam jovem, pois ele conseguiu interpretar bem o Deadpool…. digo o Ryan Reynolds (que mais uma vez cai num personagem que sempre interpreta, apesar de eu ter percebido algumas diferenças, dessa vez).

No elenco do filme também podemos citar Jennifer Garner, interpretando Ellie Reed, mãe do Adam, Zoe Saldaña, no papel da esposa de Adam (Reynolds), Laura, Mark Ruffalo, que já citamos lá no comecinho e que interpreta o pai do Adam Reed, o Louis Reed, e Catherine Keener, que se encarrega de fazer o papel da sócia do Louis a vilã da trama.

O filme atende bem ao que propõe e mostra-se um passatempo bom, pra quem busca algo nesse gênero.

 

Classificação:

Leia também, outras críticas nossas:

O filme “O Projeto Adam” encontra-se exclusivamente na Netflix.

By Beto Gondim

Meu passatempo favorito tem sido assistir filmes e séries. Nem me considero tão nerd assim, mas estou por aqui ajudando meus amigos, na direção de redação, supervisionando o nosso podcast lindo, o SiriCast e falando de coisas que curto bastante... espero que vocês também curtam.

One thought on “O Projeto Adam (2022) | Crítica”

Comments are closed.