A Feiticeira Escarlate, de Elizabeth Olsen, esteve gigante em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”. É bem verdade que para alguns fãs da Marvel, o caminho que ela tomou não foi o ideal, no entanto, os quadrinhos previam isso. E o escritor, Michael Waldron falou sobre o assunto.

Numa entrevista a Variety, Waldron defendeu o arco da Feiticeira Escarlate, que é baseado numa motivação bastante humana, para as suas ações no filme.

Sam [Raimi] e eu entramos em fevereiro de 2020. E, inicialmente, estávamos herdando o trabalho anterior. E então o COVID
aconteceu e nossa data de início empurrou seis meses. Então, ele e eu tivemos a oportunidade de essencialmente começar de novo e dizer: “O que queremos que este filme seja?” E o alicerce fundamental para começar de novo era que Wanda deveria ser a vilã o tempo todo. Esta deveria ser uma história do Doutor Estranho protegendo America Chavez de Wanda“.

Mais tarde, ele revelou que, em um ponto, a Feiticeira Escarlate não era a principal antagonista, mas à medida que o desenvolvimento prosseguia, parecia apropriado tê-la como a principal vilã desde o início:

Bem, havia a versão em que ela era mais leve – e eu até fiz um rascunho anterior mas ficou ruim no final. Nunca houve uma maneira de servir adequadamente sua queda da graça como personagem coadjuvante no filme, porque tinha que haver um antagonista separado. E também parecia que estávamos deixando a maior parte da diversão na mesa para outra pessoa. E, verdade seja dita, tendo assistido, experimentado e estudado “WandaVision”, eu senti que ela estava no ponto, de posse do Darkhold, ela poderia quebrar. Ela chegou a esse ponto que ela alcança nos quadrinhos, e que poderíamos fazer isso de forma crível.”

Finalmente, o escritor de “Doutor Estranho 2” se abriu sobre a queda da Feiticeira Escarlate e como ele sentiu que isso foi construído em WandaVision.

Não, eu não gostaria que “WandaVision” tivesse feito algo diferente. Eu não mudaria nada sobre o que eles fizeram. Minha interpretação de “WandaVision” é que ela confronta sua dor e deixa de lado as pessoas que ela tem sob seu controle, mas eu não acho que ela necessariamente resolva sua dor naquele programa. Talvez ela seja capaz de dizer adeus ao Visão, mas acho que ela realmente se apaixonou por aquelas crianças. Eu acho que todos esses fios pendurados são as coisas que o Darkhold ataca quando ela o obtém. Você vê na cena final de “WandaVision” o erro que nossa Wanda comete é que ela abre o Darkhold. Ela começa a ler, e eu acho que isso ataca seu desejo de ter esses filhos e tê-los de verdade desta vez. Então, sim, foi assim que cheguei lá. Fazia sentido para mim e para nossas equipes porque construímos a história“.

Em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” da Marvel Studios, o MCU desbloqueia o Multiverso e amplia seus limites mais do que nunca. Viaje para o desconhecido com o Doutor Estranho, que, com a ajuda de aliados místicos antigos e novos, atravessa as realidades alternativas perigosas e alucinantes do Multiverso para enfrentar um novo e misterioso adversário.

Dirigido por Sam Raimi (“Homem-Aranha”), a partir do roteiro escrito por Michael Waldron, o filme é estrelado por Benedict Cumberbatch, Chiwetel Ejiofor, Elizabeth Olsen, Benedict Wong, Xochitl Gomez, Michael Stuhlbarg Rachel McAdams.

Veja também:

Com 2h06min, o filme Marvel, “Doutor Estranho 2” encontra-se exclusivamente nos cinemas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.