“X” nasce da iconoclastia de um gênero que está a todo momento se auto referenciando numa metalinguagem que se torna tão absurda ao ponto de ficarmos a todo momento fazendo associações enquanto somos inseridos mais e mais na trama principal.

Se tivemos um proto-slasher como “Massacre da Serra Elétrica” para que, enfim, o gênero nascesse com Halloween, foi só anos depois que Wes Craven conseguiu fazer com que o gênero desgastado ganhasse uma sobrevida e compreensões intelectuais que outrora era inviável. Não que tenha novidades estimulantes em “X”. A nova produção da badalada A24 está totalmente ciente do que é e dos caminhos que precisa seguir para se tornar um filme indulgente.

Todos os clichês estão em cena para mostrar que não precisa a cada momento ser inventivo para ser original. E por mais que as homenagens aqui sejam postas em tela em toda oportunidade possível, o filme consegue se contrapor diante do louvor ao passado e ser moderno tanto em linguagem quanto em narrativa.

Certo, o terceiro ato é excessivamente corrido e algumas mortes não são aproveitadas em toda sua potencialidade ‘gore’. E algumas atuações atiram no estilo “canastrão” e por serem bons atores acabam entregando boas atuações onde não se pede isso.

Mas isso são detalhes que fazemos questão de deixar no meio do caminho porque perfeição não é algo que filmes como esse almejam. Ainda bem!

 

Classificação:

Leia também, outras críticas nossas:

“X” é um filme americano de slasher de 2022 dirigido e editado por Ti West. O filme é estrelado por Mia Goth, Jenna Ortega, Martin Henderson, Scott Mescudi e Brittany Snow. Foi lançado nos Estados Unidos em 18 de março de 2022, pela A24. No Brasil, será lançado nos cinemas pela PlayArte, em 28 de julho de 2022.