Em uma lógica que foge do anacrônico mas ao mesmo tempo parece interligado com as questões de uma época específica, “O Traidor” da Pandora Filmes é um ótimo exemplo de como se fazer um filme de época sem deixar de ser moderno e contundente tanto no que decide contar quanto na narrativa que escolhe tecer.

Por mais que o filme seja uma “cinebiografia” de Tommaso Buscetta – o traidor do título e também do maior grupo de máfia italiana do século XX – é notável o que o diretor Marco Bellocchio decide fazer aqui é mais um estudo sobre o gênero da máfia e como ele está desconexo do cinema da sua terra natal.

Chega a ser irônico perceber que os maiores filmes sobre a máfia italiana foram feitos por americanos em um contexto que vai totalmente para o “american way of life”. Certo que quando falamos de “filmes de máfia” o que vem em mente são os consagrados diretores Ítalo-americanos (especificamente Scorsese e Coppola) com suas obras primas do gênero. E mesmo com alguns exemplares notáveis em mãos de diretores italianos, não se tinha uma percepção totalmente itálica desse submundo tão característico.

Bellocchio é sem dúvidas o maior cineasta italiano vivo, e sua estética sempre esteve ligada aos movimentos de vanguarda da época. E ele se mostrou além de todos eles quando (além de sobreviver, claro) conseguiu sempre ser aquém mesmo quando conversava com todas essas escolas cinematográficas.

“O Traidor” além de ser um filme jovem (feito por um cineasta de 80 anos com mais de 50 de carreira) é também um filme que mesmo tratando de um assunto tão delicado não se leva a sério em nenhum momento, nunca caindo na vala da caricatura. É um cinema que consegue ser refrescante e envolvente sem em nenhum momento perder sua identidade e o ar de originalidade.

Ele Pode ter passado despercebido pelas audiências – inclusive os fãs do gênero – por causa do lançamento colosso/épico de “O Irlandês” de Martin Scorsese, mas “O Traidor” não fica distante na dimensão megalomaníaca do filme do mestre americano e muito menos em sua importância para o gênero.

Um ótimo filme de máfia que deve ser visto de joelhos.

 

Classificação:

Leia também, outras críticas nossas:

O longa italiano, “O Traidor” encontra-se em alguns cinemas independentes, bem como nas melhores plataforma digitais do ramo.

One thought on “O Traidor (2019) | Crítica”

Comments are closed.