O cinema asiático é sinônimo de vagarosidade e diante dele estamos sempre em um eterno deslumbre de imagens. “Desaparecidos”, do francês Denis Dercourt, até tenta emular o que vemos no cinema asiático contemplativo, mas o que vemos é um francês falhando em colocar uma narrativa policial em uma estética que parece mais um romance.

Por se tratar de um discurso urgente (tráfico humano) o filme até acerta em não perder tempo apresentando os personagens para que já estejamos dentro da trama principal. Por mais que o filme tenha vários personagens secundários, só permanecem em tela aqueles que terão importância na trama.

Mas essa proposta não casa bem com o intimismo do filme “Desaparecidos”, que parece mais preocupado em desenvolver uma relação entre os protagonistas que não encaixam em nenhum momento.

Nem as atuações salvam, os atores não conseguem demonstrar nenhuma emoção genuína, parecendo bonecos que apenas obedecem onde devem ficar diante da câmera e quais falas devem recitar quando chegam seu momento.

A sensação que fica é que estamos diante de um filme que está brigando com suas origens francesas (no caso do cineasta) para conseguir adentrar em um ambiente novo (que é a do cinema sul-coreano). Essa união poderia resultar em um cinema autoral de qualidade, mas o que nos resta é algo opaco e sem vida.

 

Classificação:

Leia também, outras críticas nossas:

O elenco do filme é composto por: Olga Kurylenko, Anupam Tripathi, Yoo Yeon-Seok, Ji-won Ye, Moo-Seong Choi, Mi-won Won, Seung-Jun Lee, Woo-Hyung Kim e Soo-Ha Kim, Su-Young Park. Dirigido por Denis Dercourt, a produção estreia somente nos cinemas amanhã (04).

One thought on “Desaparecidos (2022) | Crítica”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.