Círculo de Fogo: The Black – 1º temporada (2021) | Crítica

Não é novidade que a Netflix vem apostando muito em animações originais em seu catálogo para chamar o público fã da cultura oriental japonesa para sua plataforma e em Círculo de Fogo: The Black a ação visceral na medida certa dessa primeira parte é um prato cheio para quem gosta de anime. Confira prévia:

Antes de mais nada, vale lembrar que Círculo de Fogo: The Black é uma releitura dos filmes de mesmo nome, que tiveram nomes de peso em seu elenco, como Idris Elba e Ron Perlman e a direção do icônico Guilermo del Toro, mas que infelizmente em sua continuação deixou muito a desejar, com um terceiro filme sendo completamente descartado pela produtora.

Enfim o anime; sem pressa em explicar tudo o que causou a situação dos nossos protagonistas, somos apresentados a um mundo destruído, ou ao menos um continente inteiro que foi invadido por Kaijus (esse nome te parece familiar?). A aventura começa bem no estilo “caindo sem querer em um robô gigante”, e as consequências de uma curiosidade sem tamanho de uma criança que deseja bem mais que a segurança de seu refúgio.

A animação tem seus problemas, talvez por eu ser um crítico da animação em 3D e não gostar muito desse estilo para uma animação, a física dos personagens, um pouco travadas em alguns momentos, incomodam um pouco mesmo que não prejudique a experiência em acompanhar as histórias de cada.

Talvez a história seja o ponto alto dessa versão. Como dito antes, a série começa exatamente no momento em que a humanidade decide abandonar o continente, deixando muita coisa pra trás, inclusive civis que precisam aprender a viver nesse “novo mundo”, onde apenas os mais fortes são capazes de sobreviver. A tecnologia, que segue a mesma mostrada nos filmes de Guilermo del Toro, se torna um item importante para entender os traumas de todos os personagens principais, mostrando seus passados bagunçados ou até com memórias bloqueadas de forma intencional.

A série não tem um vilão pra chamar de seu, até tem um momento que nos faz acreditar que esse vilão existe, mas é tudo deixado de lado, pois o foco dessa estória é a busca do casal protagonista pelos seus pais, que os deixaram pra trás tentando achar o resgate. E aí, como esperado, o vilão principal é realmente o Kaiju, que destruiu seu acampamento logo no inicio e que passa todos os 7 episódios correndo atrás do Jaeger, como um cachorro atrás de seu brinquedo favorito.

Muitas pontas soltas foram deixadas, a animação em si é promissora, mistérios temos de sobra para serem revelados em próximos episódios e até um messias dos Kaijus parece ser o grande personagem da próxima parte do The Black.

Classificação:Círculo de Fogo: The Black

Veja outras críticas nossas, relacionadas ao Mundo Otaku:

A primeira temporada de Círculo de Fogo: The Black estreou no último dia 04, com um total de 7 episódios e pode ser assistido através da Netflix.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *