Curon – 1ª Temporada (2020) | Crítica

E se aqueles pensamentos e sentimentos que tentamos reprimir, vez ou outra, assumissem uma forma física?! E se essa forma física fosse quase que um reflexo nosso, que tentaria dar um fim às nossas vidas e vivê-las em nosso lugar?! Seria mais ou menos essa a premissa da série italiana original da Netflix, “Curon“. Veja o trailer:

A série traz diversos elementos que nos remetem ao terror, temos lobos, floresta, caverna, uma população local misteriosa, um lago represado que inundou parte da cidade, deixando apenas uma torre de sino de uma velha igreja visível, entre outras coisas mais… Mas tudo ocorre de maneira lenta demais. A série não aterroriza e nem empolga em seus primeiros episódios, dificultando aquela ânsia de maratoná-la e terminar o quanto antes para tentar descobrir os segredos.

Com apenas 7 episódios, entre 40 e 50 minutos, aproximadamente, a série vai melhorando e instigando essa curiosidade no espectador lá pro 4º ou 5º episódio, mas ainda assim não cheguei a me assustar, ou ficar com medo em momento algum, o que não é um elogio a um filme desse gênero.

Atuações relativamente boas de quase todo o elenco e uma fotografia muito bonita (apesar de abusar um pouco de cenas escuras, como fez em The Witcher), melhoram a experiência para quem está assistindo e elevam o patamar da produção comandada pelos diretores Fabio Mollo e Lyda Patitucci.

O elenco é formado pelo que podemos chamar de uma família protagonista, com o Luca Lionello interpretando o patriarca, Thomas Raina, que é o pai da Anna (Valeria Bilello), que por sua vez é a mãe dos irmãos gêmeos Daria (Margherita Morchio) e Mauro (Federico Russo).

Mas, fora a família de protagonistas, também podemos destacar a atuação dos talentos juvenis: Luca Castellano, que faz uma dupla interpretação muito boa e a Anna Ferzetti, que interpreta a jovem Micki.

O fato curioso a respeito da série é que a cidade Curon Venosta realmente existe. O vilarejo em questão fica localizado na região do Trentino-Alto Ádige, província de Bolzanoe, e sim, também existe uma torre de sino, que fazia parte de uma igreja romana do século XIV. Já a maldição, eu não garanto se existe, ou não.

Curon, descobrimos o trailer da nova série italiana da Netflix
Torre da igreja parcialmente inundada em Curon – Itália

A primeira temporada deixou muito mistério a ser solucionado ainda e um forte gancho para uma segunda, que espero que possa vir mais fechadinha e, principalmente, mais assustadora, pois é o que queremos ver em filmes e séries de terror.

Classificação:

Vejam mais de nossas críticas:

A primeira temporada da produção italiana Curon, encontra-se na Netflix.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *