Cinefilia Destrutiva

Ser cinéfilo é uma condição que vai muito além de assistir e tentar entender filmes. É o dom (que alguns como eu podem considerar maldição) de ser tocado pelas imagens. Muitos que vão em busca do fazer cinema não conseguem compreender esse simples fato e fazem filmes que esquecem que são – acima de tudo – transmissores de imagens.

O que os cinéfilos buscam quando vão ao cinema é muito além de um simples filme para se assistir e se sentir inerte em relação ao tempo e espaço que se encontram. A sua busca é pela imagem perfeita, construída para ser impactante, para refletir e fazer com que tudo faça sentido no meio de tanta confusão.

Se temos John Wayne sendo enquadrado do lado de fora da casa em Rastros de Ódio; Nastassja Kinski sendo “fitada” pela câmera de Wim Wenders na cena da cabine do telefone de Paris, Texas; ou Anthony Perkins quebrando a quarta parede na cena final de Psicose, é porque uma única imagem é necessária para que aquele filme seja velado e enterrado em nossa mente.

É como se a celulose de todas as cenas menores do filme tivesse consciência que estão trabalhando em conjunto de algo maior e se livram de toda e qualquer vaidade em nome do filme, em nome de um só ato que tem o papel de sintetizar tudo aquilo que está sendo transmitido na tela.

Muitos filmes grandes não possuem a preciosidade visual que filmes considerados pequenos possuem. Não existe cineasta experiente, existe cineasta que respeita as imagens e sabe o poder que elas possuem. Excesso de (d)efeitos visuais podem cansar enquanto que uma mise-en-scene bem trabalhada pode ser mais instigante que a droga mais intensa que existe no mercado.

Cinema é vício? Na verdade, acredito que cinema seja obsessão. Obsessão pelo mais, pelo excesso, mas não pelo excesso visual. O excesso das sensações, dos sentimentos bem trabalhados, do desenvolvimento bem-criado, dos personagens bem construídos.

E não se engane achando que a Tour de Force é uma certeza de bom cinema. Nem todas as estradas e viagens valem tanto a pena quanto dizem por aí.

 

Leia outros editoriais nosso:

Comentamos os assuntos mais badalados da cultura pop, sempre aos domingos, pensando em você.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *