ULTRAMAN (2019) | Crítica

A adaptação do mangá de Eiichi Shimizu e Tomohiro Shimoguchi, o ULTRAMAN distribuído pela NETFLIX dá sequência a um dos maiores clássicos da história do gênero tokusatsu. Esta saga também faz uma releitura dos primeiros heróis ultra da franquia produzida pela Tsuburaya para os dias atuais (Ultra Seven e Ultraman Ace).

A estória se passa após o final de ULTRAMAN (série original de 1966). Foram desconsiderados todos os eventos da cronologia principal relatados em Ultra Seven (de 1967), O Regresso de Ultraman (de 1971) e Ultraman Ace (de 1972).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Shin Hayata, (o mesmo da série canônica) o hospedeiro do gigante de luz está com idade avançada, constituiu sua família e é o ministro da defesa do Japão. O que ninguém sabe é que mesmo sem estar com o Ultraman em seu corpo, como vimos na série principal, ele herdou um poder sobre-humano, chamado de “Fator Ultra”. Seu filho adolescente, Shinjiro Hayata, protagonista da série, possui também o mesmo fator. O garoto procura levar uma vida normal ao lado de colegas do colégio, mantém interesse por garotas do colegial (principalmente por Rena Sayama) e coisas do tipo porém, os poderes de Shinjiro atraem misteriosamente a atenção do alienígena Bemlar, (sim. O mesmo da série principal. Temos um easter egg como muitos que vamos citar aqui. Bemlar se apresenta como o “primeiro inimigo” de Ultraman que na realidade é a mais pura verdade já que o mesmo enfrentou Ultraman no primeiro episódio da série original). Depois de anos de paz, a iminência de uma nova ameaça faz com que a Patrulha Científica, secretamente, entre em ação para enfrentar o vilão que pode ter relação com um atentado ocorrido 12 anos antes. Shinjiro tem a difícil responsabilidade de assumir o manto deixado pelo seu pai. Vestindo uma armadura altamente sofisticada, capaz de reproduzir os mesmos poderes e técnicas do gigante da Nebulosa M-78 (Isso mesmo que você leu, “reproduzir os poderes”. O Ultraman original não está na terra. É o fator ultra herdado de seu pai que faz Shinjiro receber o codinome ULTRAMAN).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nos tempos atuais, a Patrulha Científica se tornou uma agência secreta (disfarçada de museu do ULTRAMAN) que investiga alienígenas vivendo entre os humanos (lembra muito o filme MIB). Mitsuhiro Ide, um dos antigos oficiais, continua na ativa. Também colabora Edo, um zettoniano aliado aos humanos. Temos ainda o implacável Dan Moroboshi (Ultraman ver. 7.0 (Seven)) e o misterioso estudante Seiji Hokuto (Ultraman ver. A (Ace)). Sem mencionar o poderoso informante Jack, que carrega em seu pulso o Bracelete Ultra (originalmente a arma fatal de Ultraman Jack).

 

MAIS ALTOS DO QUE BAIXOS

Produzido pela Production I.G e Sola Digital Arts e dirigido por Kenji Kamiyama (Ghost in the Shell: Stand Alone Complex) e Shinji Aramaki (Appleseed), ULTRAMAN apresenta uma animação digital em 3D impecável (apesar que o estilo não vem agradado os fãs de animação japonesa). A qualidade das filmagens é nítida, fluindo com naturalidade e com cenas de ação aprimoradíssimas com total realismo, já que usaram atores reais para captura de movimento. A Trilha sonora também é um ponto chave dando uma dramaticidade em momentos de ápice. Também temos a música de encerramento que é um caso a parte. Ela prepara você numa adrenalina para ver o próximo capítulo que é fenomenal. Abaixo temos a música “Sight Over the Batlle” do cantor Oldcodex:

ULTRAMAN tem 13 episódios, baseados nos oito primeiros volumes do mangá (atualmente publicado no Brasil pela Editora JBC). Quase não há diferenças entre o anime e o mangá. Se fôssemos apontar pontos negativos poderíamos citar a motivação de RENA SAYAMA para encontrar o ULTRAMAN que ficou a desejar mas essa particularidade não interfere na qualidade da adaptação. Outra situação que pode causar estranheza aos mais puristas é o fato de que os heróis não se agigantam e que os “GRANDES KAIJUS” não passam de “ursos crescidos” em tamanho. Mas quando você assiste a série como todo (mitologia), em nenhum momento fugiu do tom e gera muita curiosidade aos novos fãs da franquia ULTRA.

Com certeza, fica agora a expectativa para uma segunda temporada de ULTRAMAN. O final deixa muitas perguntas sem resposta, mas caso aconteça: veremos a formação da Irmandade Ultra desse universo? Só o tempo e a NETFLIX dirão.

E mais uma coisa: NETFLIX! Divulgue melhor a série. Outros fãs sem ser os de tokusatsu, precisam conhecer essa obra de arte. Fica a dica.

 

Classificação: 

O que você achou dessa crítica??? Deixem os seus comentários logo abaixo…

 

Curta a nossa página no Facebook!!!

Siga-nos no Instagram e no Twitter !!!

E continue acessando o nosso Site.

3 Replies to “ULTRAMAN (2019) | Crítica”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *